terça-feira, 6 de março de 2012

E se... os nazistas tivessem ganho a Guerra??


Ah! E por falar em superinteressante, a desse mês tem uma reportagem sobre os nazistas que estiveram na Amazônia!

Vale a pena ser lida, seriamos alvo rápido dos nazistas...

A idéia de que Adolf Hitler pudesse concretizar seus planos megalomaníacos hoje soa absurda. Mas os alemães estiveram a milímetros de ganhar a guerra. Tanto que o historiador inglês Stephen Ambrose atribui a derrota dos nazistas a um meteorologista escocês. Ele chamava-se J. M. Stagg e fazia a previsão do tempo para as tropas aliadas. No dia 5 de junho de 1944, apesar da tempestade que castigava a costa francesa, Stagg garantiu que o céu acabaria abrindo mais tarde.
Foi um chute, já que o clima naquela região é tão instável que até hoje os satélites erram metade das previsões. Mas Stagg acertou. Se a chuva não parasse, os soldados que desembarcaram na França na manhã seguinte – o fatídico Dia D – chegariam à praia enjoados, incapacitados para lutar. Também não haveria visibilidade para soltar pára-quedistas ou bombas. Toda a operação para libertar a França teria sido um fiasco.
Por outro lado, o historiador militar inglês John Keegan acredita que Hitler perdeu sua chance de vencer três anos antes, em 1941. Nessa época, quase toda a Europa estava em suas mãos ou na de seus cúmplices italianos e simpatizantes espanhóis. Animado com o sucesso, o ditador encarou de frente a Rússia. Acabou derrotado pelo inverno. Keegan argumenta que Hitler poderia ter optado por uma invasão indireta. Ele entraria fácil na Turquia e de lá estenderia seus tentáculos pelo Oriente Médio. Garantiria, assim, um suprimento inesgotável de petróleo para mover seus tanques e aquecer suas tropas. Depois, tomaria o sul da União Soviética, onde o inverno não é tão cruel. Desse jeito, deixaria Stálin sem suas principais reservas petrolíferas.
"Daí para a frente, seria fácil conquistar a Rússia e depois a Índia, então colônia inglesa", disse Keegan à Super. Enquanto isso, seus aliados japoneses ocupariam a China, ligando o Japão à Alemanha. E não pararia por aí. "A Inglaterra é pouco populosa e pobre em recursos naturais", afirma Keegan. Sem suas colônias, viraria presa fácil. Na época, boa parte da África era colônia de países europeus e acabaria também nas mãos do Führer.
Resultado: antes mesmo de 1950, o império nazista já teria se estendido por Europa, Ásia e África – mais do que os impérios romano e mongol somados. "Seria um mundo de duas classes", diz Christian Lohbauer, especialista em História Alemã, da Universidade de São Paulo. Os arianos, considerados superiores, mandariam. Eslavos, negros e asiáticos virariam cidadãos de segunda classe. Outros povos, como os judeus e os ciganos, seriam exterminados.
É bem possível que nem assim o Estado nazista sossegasse. "Eles dependiam da guerra", diz Lohbauer. "As empresas alemãs cresceram fornecendo equipamento para o exército e precisavam da mão-de-obra escrava dos prisioneiros." Ou seja: continuariam invadindo país após país para manter esse esquema. Iriam para o Pacífico e de lá para a Oceania. "Podemos ter um século de luta à nossa frente", disse Hitler certa vez. "Antes isso do que ir dormir."
Assim, fatalmente ele esbarraria nos interesses de outra potência: os Estados Unidos. Ou você acha que os americanos deixariam Hitler invadir o seu quintal? "Não permitiríamos que eles se apoderassem da América Latina", afirma o americano Robert Cowley, fundador da revista Militar History Quarterly, especializada em história militar.
Neste cenário, a Guerra Fria teria ocorrido entre Alemanha e Estados Unidos. "Mas o mais provável seria uma guerra quente mesmo", diz Keegan. E o palco seria a América Latina. Será então que a luta duraria para sempre? "Acho difícil", afirma Cowley. "O império nazista baseava-se numa única figura carismática. Uma hora Hitler iria morrer. Quem o substituiria?"
Depois da morte do ditador, os oprimidos iriam se rebelar e o império se despedaçaria aos poucos. Chegaríamos ao ano 2000 nos reerguendo dos destroços. É bem possível que a ciência estivesse estagnada, depois de décadas torrando todo o dinheiro em bombas e projéteis. A informática seria ainda bem primitiva. E a Internet certamente não teria nem nascido: regimes autoritários, que dependem do controle da informação, fariam tudo para impedir que ela se difundisse. Na próxima vez que navegar na rede mundial de computadores, agradeça, portanto, àquele sortudo meteorologista escocês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário